Uma história sobre comida ou Amor à Flor da Pele, de Wong Kar-Wai

“No início, chamamos o filme de 'uma história sobre comida'. Duas pessoas, vizinhos, que estão comprando macarrão o tempo todo”, disse Wong Kar-Wai em uma entrevista. Mas com o tempo, Amor à Flor da Pele, filme de 2000 do diretor chinês, ganhou corpo, complexidade e o que era para integrar uma trilogia de amor, acabou fazendo carreira solo e se tornando um dos filmes mais sutis e potentes do cinema - e o melhor, com uma narrativa que gira em torno da comida. Na Hong Kong dos anos 60, dois vizinhos de coração partido, tentam buscar respostas e curar feridas juntos, através de uma história que cria constantes paralelos entre comida e relacionamento. A alimentação reflete a evolução dos sentimentos desses personagens através das cores dos ingredientes, do simbolismo do prato, dos preparos e, principalmente, da cumplicidade do compartir - ou não - à mesa. Marmitas de noodles que cruzam corredores solitários, pratos de arroz às escondidas, o afeto inerente do xarope de gergelim. Alimentos não apenas simbolizam emoções, mas descrevem as relações, muitas vezes, melhor do que qualquer palavra. Uma das minhas cenas favoritas é esta do vídeo, a icônica cena do gesto da mostarda. O mesmo encontro acontece algumas cenas antes, em um lugar parecido, onde, sem intimidade, apenas tomam chá, fumam cigarros, construindo um ambiente que mantém intacta as barreiras da formalidade entre dois desconhecidos. Nesta cena, a segunda vez que vão ao restaurante, algo já mudou: compartilhar uma refeição é infinitamente mais íntimo. E é nesta dança à mesa, que se conhecem, ganham cumplicidade e, assim, entre garfadas, iniciam um caminho de afeto e liberdade. 🎶 obs.: as músicas são imbatíveis.


🎬 Amor à Flor da Pele,


Hong Kong, 2000


Direção: Wong Kar-Wai


Roteiro‎: ‎Wong Kar-wai