O maior fã de queijo Brie da história

O maior fã de queijo Brie da história foi também um dos maiores vira-casacas da política de todos os tempos.


O príncipe, político e diplomata francês Talleyrand-Périgord (1754-1838) serviu diferentes regimes por quase 50 anos e tirou o maior proveito (principalmente financeiro) de todos eles – inclusive foi descrito por um escritor da época como “fiel apenas ao queijo brie”.

Foto: Caricatura de Charles Maurice de Talleyrand Périgord “L'Homme aux 6 Têtes” (O homem de 6 cabeças), artista desconhecido, 1815.


Conhecido como um dos maiores gastrônomos de seu tempo, tinha como cozinheiro particular ninguém mais ninguém menos que Antonin Carême – um dos mais famosos chefs da história. Talleyrand era exigente com a montagem da mesa, a cozinha e o serviço, que tinham que ser no mínimo impecáveis. Comia ao longo do dia coisas leves para “guardar espaço” para seu banquete diário, que era definido logo pela manhã junto a Carême que respondia às dúvidas e sugestões do patrão como o ponto de cozimento ideal, os tipos de molhos e as muitas opções de guarnições. Seus cardápios sempre eram formados por diversas sopas, quatro entradas, dois pratos do mar, quatro intermediários, dois assados e vários doces, além de, claro, o queijo brie. Ele gostava tanto do queijo que fez um concurso de queijos durante o Congresso de Viena, obtendo a proclamação do brie como o “rei dos queijos”.


Ser recebido por Talleyrand era um sinal de prestígio. Ele usava a gastronomia como um forte instrumento diplomático e, não a toa, era conhecido como “uma pessoa irresistível à mesa”.


Ficou famoso por, certa vez, responder de forma atrevida ao rei Luís XVIII, que lhe dava recomendações antes de ir ao Congresso: “Majestade, perdoe-me, mas necessito mais de panelas do que de instruções”.

Les Fromages, De Philippe Rousseau, 1875. Musée De Rouen, Paris