"Goiabada com queijo, a única paixão na sua vida": uma homenagem a Clarice Lispector

"As pancadas ela esquecia, pois esperando-se um pouco a dor termina por passar. Mas o que doía mais era ser privada da sobremesa de todos os dias: goiabada com queijo, a única paixão na sua vida." A Hora da Estrela, Clarice Lispector

Pobre existência de Macabéa. 19 anos,"virginha", "feíssima - parece um maracujá de gaveta", desajeitada, “tem cara de quem comeu e não gostou”. Era desinteressante como um café frio, adorava cachorro quente e, quando podia, enchia o pingado de açúcar para aproveitar.*


"O creme era tão apetitoso que se tivesse dinheiro para comprá-lo não seria boba. Que pele, que nada, ela o comeria, isso sim, às colheradas no pote mesmo. É que lhe faltava gordura e seu organismo estava seco que nem saco meio vazio de torrada esfarelada. Tornara-se com o tempo apenas matéria vivente em sua forma primária."*


Cem anos de Clarice e de seu mundo profundamente humano, íntimo, poético e filosófico com que fomos presenteados. Cem anos de sua maneira de atingir o âmago das questões humanas, usando, muitas vezes, a comida como código para entender as relações entre as pessoas e seu entorno, para aproximar o leitor de forma visceral dos personagens e de seus mais fundamentais anseios de sobrevivência, de existência: física, corporal, social. Cem anos da importância que Clarice nos dá, nas entrelinhas, da comensalidade na partilha e na solidão, na fartura e na miséria.


"Não sei como são as outras casas de família. Na minha casa todos falam em comida. “Esse queijo é seu?” “A canjica está boa?” “Mamãe, pede à cozinheira para fazer coquetel de camarão, eu ensino.” “Como é que você sabe?” “Eu comi e aprendi pelo gosto.” (...) E quanto a mim, acho certo que num lar se mantenha aceso o fogo para o que der e vier. Uma casa de família é aquela que, além de nela se manter o fogo sagrado do amor bem aceso, mantenham-se as panelas no fogo. O fato é simplesmente que nós gostamos de comer. E sou com orgulho a mãe da casa de comidas. Além de comer conversamos muito sobre o que acontece no Brasil e no mundo, conversamos sobre que roupa é adequada para determinadas ocasiões. Nós somos um lar." Comer, comer. A Descoberta do Mundo, 1968.



*citações de A Hora da Estrela