A nostalgia do restaurar: "vinde a mim, aqueles que estão famintos e eu os restaurarei"

"Em grego clássico, a palavra apocalipse não significa apenas destruição, mas também revelação de coisas ocultas." Assim abre seu texto o sociólogo italiano Domenico De Masi, na Folha de SP. Tenho escutado o termo reset para caracterizar o momento atual. Resetar: redefinir, reiniciar. Resetar relações com a educação, ambiente, trabalho, amor, comida. É tempo de ressignificar o entorno, tirar o melhor do apocalipse e conseguir ver luz no oculto, no desconhecido. Segundo matéria da Bloomberg, pela primeira vez na história, em 2018, as vendas em restaurantes ultrapassaram as vendas em mercados -e isso aconteceu mais 8 vezes em 2019, e se manteve em jan e fev de 2020, dando a entender que esse comportamento tinha se consolidado de uma vez por todas. Comer fora é algo que fazíamos cada vez mais, pela praticidade, agilidade e pela própria estrutura social em que vivemos. Aí, claro, veio a pandemia e tudo mudou. Por outro lado, a internet, que completa 50 anos, transformou nossas formas de convívio. E a pandemia escancarou como nunca o quanto estamos conectados nesta nuvem global e, como disse DeMasi "podemos teleaprender, telenegociar, teledivertir, teleamar. E teletrabalhar." Para os muitos ligados neste "smart working" em ascensão, a separação entre trabalho e vida se transformou e se unificou de forma mais saudável. Cresceu a autonomia, a gestão de tempo, de ritmo, diminuiu a burocracia e, ao mesmo tempo, "a produtividade aumentou de 15% a 20%". A pandemia resetou tudo isso. Esta transformação se fez necessária, possibilitou uma maior percepção do valor das relações humanas e ambientais. Mas quando resetar se torna a palavra em alta no momento, impera em mim, também, a necessidade e nostalgia dos locais do restaurar - "vinde a mim, aqueles que estão famintos e eu os restaurarei" Boulanger, 1765. Os restaurantes podem funcionar por aplicativos, vídeos, entregas, mas a troca e o impacto que a casa da restauração tem sobre as relações humanas nunca me fizeram tanta falta. Sim, teremos que resetar condutas, preconceitos, formas de trabalho, de manejo e de valores. Mas smart working nenhum consegue resetar o afeto do espaço onde a restauração acontece através da comida.