A história da Pipoca

Embora tenha se popularizado no século XX, principalmente através do cinema, a pipoca surgiu na América há milhares de anos. Arqueólogos encontraram traços de pipoca entre vestígios de povos mexicanos e em tumbas peruanas antigas: a pipoca fazia parte da alimentação de diversos povos do continente americano. Mas ela também era usada como adorno, enfeitando o cabelo e o pescoço em guirlandas. Inicialmente, povos americanos preparavam a pipoca com a espiga inteira sobre o fogo, depois passaram a colocar apenas alguns grãos sobre as brasas. Com o tempo, as sementes eram cozidas em panelas de barro com areia quente. Mas ela se popularizou de fato com a invenção do primeiro carrinho de pipoca da história, criado por Charles Cretors, em 1885, e a pipoca passou a ser vendida em quitandas, feiras e circos. Mas demorou um tempo para teatros e depois cinemas a aceitarem em seus eventos. Os teatros - e os cinemas que seguiam sua linha - eram pomposos demais para aceitar o barulho e bagunça da pipoca, principalmente com os filmes mudos da época. Com a chegada do cinema falado nos anos 20, as salas se democratizaram - as legendas usadas nos filmes mudos limitava a clientela analfabeta - e, com muita procura, chamou atenção de vendedores ambulantes que viram uma oportunidade de venda-la nas portas das salas. A ideia fez tanto sucesso que cinemas americanos proibiram a entrada com pipoca - e fiscalizavam bolsos para recolher o snack clandestino. Com o tempo, finalmente os cinemas sacaram o lucro que teriam vendendo a tal da pipoca: em 1945 mais de 50% da pipoca consumida nos EUA eram nas salas de cinema. A publicidade do snack oficial do cinema começou, então, com tudo e de forma bastante agressiva - até no meio do filme passavam propagandas de pipoca, como esta do vídeo, de 1957 que, inclusive, foi selecionada pela Biblioteca do Congresso Americano como registro cultural e histórico da indústria do cinema. Nos anos 60, o consumo de pipoca caiu, quando as TVs tomaram o lugar dos cinemas. Foi só com a invenção do microondas e anos mais tarde da pipoca própria para ele, em 1981, que ela voltou com tudo - seja nas salas ou no sofá de casa, o cinema e a pipoca andam juntos.